Qualidade de vida durante a pandemia

Nos tempos atuais, estamos vivenciando um cenário totalmente atípico, a pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Além dos cuidados de higiene, o distanciamento social é uma das estratégias mais eficientes para mitigar a disseminação do vírus e reduzir os impactos no mundo. Entretanto, esse isolamento pode acarretar o aumento do sedentarismo e, consequentemente, agravar alguns quadros de doenças pela não adesão à prática de exercícios físicos.

A qualidade de vida (QV) possui um conceito amplo e pode ser entendida pela percepção que o indivíduo possui sobre a sua posição na vida e no contexto de sua cultura, a partir dos sistemas de valores da sociedade em que vive, considerando seus propósitos, perspectivas, padrões e responsabilidades.

Impacto à saúde

A pandemia tem provocado alterações nos aspectos corporais, psíquicos e sociais da população. O isolamento social pode causar alterações nas relações afetivas, familiares e aumentar a sensação de tristeza e ansiedade, ocasionar adaptações no seu novo modelo de trabalho, além do impacto com a perda e situação econômica, política e social.

Quem não pratica atividade física tem 70% mais de chances de desenvolver doenças, como:

  • Obesidade;
  • Osteoporose;
  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes Mellitus;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Infarto do miocárdio.

O que a atividade física traz de benefícios à saúde?

  • Controle do peso;
  • Controle da pressão arterial;
  • Controle da glicose (açúcar no sangue);
  • Aumento da resistência contra doenças;
  • Aumento da autoestima;
  • Alívio do estresse;
  • Estímulo do convívio social;
  • Fortalecimento dos ossos;
  • Melhora da força muscular;
  • Melhora da resistência física;
  • Melhora da qualidade do sono;
  • Redução do tabagismo;
  • Redução do alcoolismo;
  • Redução do uso de drogas ilícitas;
  • Melhora da capacidade respiratória.

Movimente-se!

A prática de exercício físico ou de esportes também é importante para saúde mental e pode contribuir no tratamento de transtornos graves, como a esquizofrenia. Em situações de distanciamento social, a prática de atividade física é uma das formas recomendadas para enfrentar o estresse.

Nível de atividade física

Exercícios ao ar livre, pode?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), realizar exercício físicoao ar livre está recomendado, observando sempre as medidas de prevenção, tais como:

  • Lavar as mãos com água e sabão, antes de sair e ao voltar para casa;
  • Usar máscaras de proteção ao sair de casa;
  • Evitar aglomerações e, quando necessário, praticar distanciamento físico de até dois metros;
  • Usar filtro solar e manter-se hidratado;
  • Levar para sua atividade física objetos de uso pessoal, como garrafa de água, toalha, e não compartilhar esses objetos com outras pessoas;
  • Realizar a limpeza dos materiais e equipamentos com álcool 70% ou solução desinfetante de água sanitária, antes e após utilizá-los;
  • Limpar as mãos com álcool 70% ou água e sabão após tocar nos materiais e equipamentos no local da prática e antes de levar às mãos aos olhos, à boca ou ao nariz;
  • Não utilizar bebedouros coletivos.

Recomendação OMS

Em novembro de 2020, a OMS (Organização Mundial da Saúde) lançou diretrizes sobre atividade física e comportamento sedentário, que se aplicam para todas as idades e habilidades, que podem ser fisicamente ativos.

A recomendação é de 150 a 300 minutos de atividade física por semana.

O que fazer?

  • Pular corda;
  • Polichinelos;
  • Usaras escadas;
  • Caminhada;
  • Passear com o seu cachorro;
  • Brincar com a família;
  • Yoga;
  • Meditação.

Os oito mandamentos para uma atividade segura:

  1. Comece devagar o exercício e aumente aos poucos;
  2. Faça refeições leves, pelo menos uma hora antes das sessões;
  3. Não fume e não tome bebidas alcoólicas pelo menos duas horas antes e depois do exercício;
  4. Evite exercício sob o impacto de emoções;
  5. Use roupas leves;
  6. Use calçado confortável durante o exercício, de preferência tênis;
  7. Evite fazer exercício em condições extremas de temperatura, umidade, poluição, grandes altitudes e nas avenidas de tráfego intenso;
  8. Pare de fazer exercício e procure um médico em caso de aparecimento de sinais de treinamento excessivo

Orientações gerais

Procure sempre a orientação de um profissional de Educação Física, que pode ser encontrado em academias, clubes esportivos, secretarias de esportes da prefeitura, escolas, clínicas de saúde e hospitais. Na presença de sintomas e sinais compatíveis com infecções respiratórias, como febre, tosse ou falta de ar, a prática de atividade física deve ser suspensa.

Construa uma rotina diária programando cada momento, com treinos, leituras, estudos, cuidado com você e com a família. Assim, será mais fácil se adequar ao novo momento de isolamento social.

Atividade física é saúde: pratique!

Referências:

GESTÃO SAÚDE-AMARQ CONSULTORIA

Cartilha de exercícios físicos para grupos especiais durante a quarentena_0.pdf

Cartilha-Atividade-Física.pdf